Pequenos acasos para alegrar o dia

Sabe quando o universo se alinha, e acaba por causar algo diferente na sua rotina? E que, por mais simples que seja, ela alegra seu dia? Não é a todo momento que isso acontece, porém não tem como disfarçar um sorriso ao se deparar com essa situação.

E esses imprevistos ganham ainda mais importância quando conseguem preencher lacunas do passado. Nada que envolva remorso, rancor, arrependimento, nada disso. É algo que fica martelando na cabeça, cutucando você, lembrando daquela ideia inacabada, que precisa ser completa, não importa como e quando.

Isso vira e mexe acontece comigo, quando lembro da melodia de alguma música, mas de jeito algum lembro de qualquer outra informação sobre ela. Só uma partícula da letra. E que geralmente é totalmente vaga, presente em qualquer outra canção.

"Oras, basta procurar no Google: e digita letra ou lyrics e o trecho em questão, e pronto". Nesse caso em particular, eu só sabia que era uma cantora que cantava "Tell me whyyyyyyyyy". E mais nada. Eu tentava ouvir outras partes, mas em todas as ocasiões estava em ambiente externo, então o barulho atrapalhava.

Mas não desta vez. No começo da semana passada, havia pego o pendrive que fica no carro para adicionar algumas músicas. Acrescentei, e durante a semana toda ele ficou mofando em casa. Chegou domingo, fui buscar algo para almoçar e lembrei de pegar o bendito. Liguei o carro e coloquei o pendrive para tocar. Não estava achando a música que queria ouvir naquela hora, então decidi deixar na estação Antena 1 (não me julguem).

Eis que no caminho de volta, começo a ouvir... os acordes da guitarra... do violão... uma voz familiar..."So please tell me whyyyyyyy...". Meu Deus, é ela. "Pior hora de deletar o SoundHound", pensei. O jeito foi tentar pegar a letra. Só consegui lembrar de outra parte: "A little bit of this, a little bit of that...".

Chego em casa e entro correndo primeiro no Google: lyrics a little bit of this, a little bit of that. Aparece Carlos Santana. "Poxa, mas é uma mulher que canta", pensei. Fui pro YouTube, digitei a mesma coisa. Foi aí que percebi que a música era do instrumentista Carlos Santana, com a participação da cantora Michelle Branch.

E o nome dela, que tanto queria saber, revelou-se bem superficial, digamos a verdade: The Game of Love. A camuflagem genérica ofuscou na minha busca. Mas nada que prejudique a música que, pessoalmente, acho muito boa. E o que importa é que finalmente a encontrei!


Lembrar de levar o pendrive pro carro, não usá-lo, deixar na estação naquele horário específico, e ela  começar a tocar depois da atendente perguntar meu pedido... Tanto tempo procurando por essa música, e a encontro justo quando não estou pensando nela. Não faço ideia se foi o acaso, ou coincidência. O fato é que, não importa quanto tempo passar, você vai encontrar o que tanto procura. No final das contas, ela pode estar na sua frente.

Agora, vamos à procura da próxima música que lembro de quase nada.

E você, já passou por isso? Comenta aí ou no Facebook. Faço esses posts pensando em vocês também. Até a próxima!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

3 vezes em que a Problematização foi longe demais

Teacher, how do you say... Rebimboca da Parafuseta?

Mais uma vez de volta