O mundo pop de luto

Um dos maiores astros da música pop se foi. Aos cinquenta anos, o cantor Michael Jackson faleceu devido a uma parada cardíaca na tarde de hoje, em sua casa, em Los Angeles.

Mesmo envolvido em escândalos de abuso sexual de crianças, a polêmica mudança de cor, ter quase derrubado o filho da sacada e o crescente complexo de Peter Pan, é inegável dizer que sua música foi trilha sonora para muitos jovens nas décadas de 80 e 90, com o auge nos álbuns "Thriller", de 1982 e "Bad", de 1987.

Eu pessoalmente curtia muito o som dele. Como não esquecer dos monstros dançarinos de "Thriller"? Quem não se lembra de "Beat It", com a rebeldia jovem? Ou "Billie Jean", com um ritmo viciante, que depois teve uma versão inesquecível à voz de David Cook? E do realmente esquecido Macaulay Culkin curtindo um rap ao seu lado em "Black or White", com pessoas de cores e etnias diferentes mexendo a cabeça pra cima e pros lados ao fim do clipe? Lembro até de meu pai tentar gravar um vídeo comigo, meu irmão e minha mãe dançando ao som da música (o resultado, é claro, ficou hilário).

Lembro-me também de esperar com ansiedade pelo clip de "Remember the Time", aquele com o Eddie Murphy no papel do faraó e com participação do ex-astro do basquete Magic Johnson. Eu e meu irmão esperamos ansiosos, pra apertar o REC e guardar, por muito tempo, dessa pérola. E eu sonhava que também poderia me transformar em areia... hahaha que nostalgia.

E uma última homenagem pôde ser conferida no começo deste ano, no American Idol. Os treze finalistas tiveram que cantar usando apenas o vasto repertório dele. Quem é fã do programa pôde conferir um show acima da média, com apresentações do Adam Lambert com um gritante "Black or White", Kris Allen com uma versão acústica de "Remember the Time" e o até então meu favorito Danny Gokey fazer uma versão viciante da apagada "PYT" (ele descambou depois daquele grito medonho em "Dream On", no top 4).

Tudo bem, ele foi alvo de tablóides por torrar milhões de quinquilharias, ter um parque temático (do Peter Pan) no quintal da casa e levou o bebê recém-nascido pra casa ainda coberto de líquido amniotico. Mas ele deixou, antes disso, um legado rico de referencias do pop. Que o seu talento se sobreponha às polêmicas recentes, e que descanse em paz agora, longe dos tablóides e manchetes escandalosas.

Daqui a pouco atualizo com clips das músicas mencionadas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

3 vezes em que a Problematização foi longe demais

Teacher, how do you say... Rebimboca da Parafuseta?

Mais uma vez de volta