Minha epopéia jornalística - Parte 3

(Leia o post que as duas primeiras partes estão embutidas no texto)

Tem gente que quer oferecer emprego de MUITA má vontade, só pode ser. Ligam nas piores horas, são omissas e, pior, mal educadas no telefone, o que dirá quando a entrevista acontece em pessoa.

Lá vou eu em mais uma desventura em busca de um emprego. Não é possível, só eu passo por apuros por conseguir um emprego de nada em jornalismo! Primeiro, fui pruma tal Ordem dos Cavaleiros de _____, cujo líder tá mais pra autor de auto-ajuda. Serviria daí pra escrever um jornalzinho de sardinha e ser locutor numa rádio avulsa. Detalhe, o trampo era em São Paulo, capital, pagavam salário do mercado (ou seja, baixo) e teria que trabalhar na semana das 8 às 18h E de sábado, das 8 às 12h. Ou seja, NUNCA ia voltar pra casa! No final das contas, meus pais riram da minha cara (eu estava certo de que conseguiria algo legal) e desembolsei cerca de R$ 130 na brincadeira, contando transporte, alimentação e táxi pra ida no lugar e pra volta à rodoviária.

Pra ser mais engraçado ainda, a "entrevista" não era a última etapa desse processo. Eu recebi entradas gratuitas pra acompanhar uma palestra do tal sujeito. O lance era que ia durar o domingo INTEIRO, das 8h às 21h!!! Ao fim do dia, ainda teria que fazer um relatório sobre o que aprendi no final. FREAK SHOW!!!

Na segunda tentativa de emprego, me chamaram pra melhorar o blog de uma "cupido" (?), que criou uma agência de casamentos (?!?) famosa e que já apareceu na mídia. "Tudo bem", pensei, "vou fazer um blog informativo e trabalhar um jornalismo mais liberal". Que nada! Teria que escrever sob a máscara dela, usando expressões como "ondas amorosas" e "meninas deusas". Na entrevista, o cara até disse que gostou do meu perfil e que ligaria. Se eu esperasse até hoje me mataria...

Mas o pior aconteceu ontem. Isso porque SEQUER fiz uma entrevista de emprego. A ligação aconteceu durante a hora do almoço, quer hora mais conveniente pra ter o celular em mãos? Vou transpor como foi a "conversa":

- Alô?
- Por favor o Daniel?
- É ele.
- Oi, sou a ______, você me mandou um currículo né?
- Não estou lembrado... de onde tá falando?

(PARÊNTESE AQUI: mando meus currículos pela Catho, que faz o GRANDE favor de deixar o nome da empresa "Confidente". Na minha ânsia de arranjar algo mando pra essas empresas de qualquer forma, mas raramente sou chamado...)

- Então, queria saber...você está trabalhando? (Ignorou minha pergunta)
- Ahn, na área de jornalismo?
- Isso.
- No momento não.
- Então, você pode fazer uma entrevista amanhã?
- Posso sim! (Me animando) Mas de onde você está falando? Qual a empresa?
- (Cortando-me grosseiramente) Não posso te dizer agora. Primeiro a gente marca a entrevista, daí amanhã te falo com mais detalhes. Pode ser amanhã?
- Pode, mas onde? (Me referindo ao local da entrevista!!!)
- (Suspirando como se estivesse de saco cheio) Ai, Daniel...quer saber, deixa pra lá.
- Não, eu me refiro ao local da...
(FILHA-DA-PUTA DESLIGA NA MINHA CARA)

Vá se foder essa escrota babaca!!! Isso é jeito de tratar alguém que vai empregar? Quem deu o direito a essa energúmena de agir dessa forma com as pessoas??? Tá achando ser a rainha dos empregos???

O pior é que liguei pra Dona Escrota de volta pra resolver a situação (ela além de ESCROTA deve ser surda ou burra por não ter entendido a pergunta). Daí acertamos que seria hoje, às 15h. E o local de entrevista? "Vou te mandar agora por e-mail o local da entrevista ok? Qual seu e-mail?"

Minha cara, você não está com o currículo em mãos lendo meu perfil?! O que tem logo no cabeçalho do papel? Vamos lá... temos nome completo, idade, data de nascimento...AH, o e-mail!!!! Comecei a soletrar e ela diz, absorta: "AH, é esse mesmo que está no currículo né? OK, agora mesmo te mando um e-mail com o local, ok"?...

...O CARALHO!!! Olhei ontem meu e-mail durante o dia todo, e nada da Dona Escrota mandando o local do negócio.

Daí vocês devem pensar: "Você não deveria ter ligado de volta!" ou, "Mandava ela tomar no C* naquela hora mesmo!". Pois é, mas me mantive calmo por um bem maior. Mas, conforme as horas passaram já fui desencanando e me contentando com a aula de aprofundamento de matemática no horário que seria pra entrevista (que serviu pra algo hoje, fazendo a prova de meio de ano da Unesp).

Lições tiradas dessa situação? Quando alguém for escroto com você, mesmo sendo conhecido (tenho dois exemplos que permeiam minha mente desde 2008), não engula, seja tão ou o DOBRO de escroto! Porque engolir sapo é o pior que há. Digo isso com plena convicção. E procurar emprego é foda de qualquer maneira. Keep trying.

PS1: O telefone da Dona Escrota era 3029-****. Número estranho, deve ser da ESCROTOlândia.

PS2: Alguém sabe se dá pra habilitar apenas empresas com nome exposto na Catho, ou algo do gênero? Quero me livrar dessas presepadas futuramente.

Puta post enorme da porra, vou parando por aqui. Teh+!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

3 vezes em que a Problematização foi longe demais

Mais uma vez de volta

Sugestão de série - Crazy Ex-Girlfriend