Já vi esse vencedor antes...duas vezes, três vezes, SETE vezes... >_<

Que gostinho de dejà vú essa 61a edição dos prêmios Emmy hein...só pra citar, Mad Men de melhor drama, 30 Rock de melhor comédia (merecido vai...), 30 Rock de novo para melhor roteiro, Alec Baldwin pra melhor ator em comédia, Glenn Close pra melhor atriz dramática, Bryan Cranston como melhor ator dramático (como o professor maluco que cria altas confusões), Jeff Probst como melhor apresentador em reality show e a BOSTA do Amazing Race, ganhando pela SÉTIMA vez como melhor reality show. Que óóóóóóóódioooooooooooooooooooooooooooo!!!!

Puta conservadorismo do inferno! Pra que serve setembro pra estréias de grandes séries, se a merda da Academia só premia coisas...velhas? Que o diga Jon Cryer, o loser Alan de Two and a Half Men - que já está indo pra sétima temporada -, que só ganhou depois de três tentativas frustradas e Kristin Chenoweth, que teve reconhecimento apenas depois que a ótima Pushing Daisies foi cancelada bruscamente. Vai entender essa louCademia...

O que curti mesmo foi Toni Collette vencendo por melhor atriz em United States of Tara. Enquanto todo mundo esperava pela vitória de Tina Fey pela terceira vez (ela até merecia, vai), a australiana desbancou Liz Lemon e Christina Applegate, a desmemoriada de Samantha Who?

Uma homenagem à longeva ER foi feita, que venceu em melhor direção. Mais um passo do conservadorismo. Que saco.

Espero que ano que vem tentem inovar, tanto quanto por mais indicados nas categorias, mas que ainda assim os mesmos sempre vencem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

3 vezes em que a Problematização foi longe demais

Mais uma vez de volta

Sugestão de série - Crazy Ex-Girlfriend